segunda-feira, 1 de março de 2010

Mas não é como... É

É como se a alma se esvaisse
Em sangue vinho
Cor de intenso


Mas não é como
É factual


É como se o tempo
A mim devorasse
Mordaz em intolerâncias


Mas não é como
É brutal


É como se o amor
Em castelo de areia se tornasse
E de teus olhos escorresse


Mas não é como
É teu ângulo


É como se eu fosse abismal
Em verticalidades vertiginosas
É martelo bigorna


Mas não é como
É doloroso desatino


É como se não houvesse fim
Como se inteiro fosse
Amor intacto, único, raro


Mas não é como
É.

Nenhum comentário:

Postar um comentário